Translate

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

De amor nunca mais te falarei



De amor
nunca mais te falarei.
Reneguei as minhas mãos
loucas da posse
e, dos meus olhos,
deportei gestos de entrega.
Porque a força que me empurra
é a mesma que me cega.

De amor
nunca mais te falarei.
Nem um passo
terá chão pisado no calar
e, dos meus beijos,
extingui a cor que destrói.
Porque o gosto que me aquece
é o mesmo que me dói.

Por que só me dizes vai
se os teus olhos o desdizem?
Só volto a falar-te de amor
se conseguires que retire
estes punhais enterrados
na carne viva do peito,
de tanto amor arruinado,
amarrotado e desfeito.



Jaime Portela


45 comentários:

redonda disse...

Um poema muito forte que desdiz o seu título, pela forma como nele se fala de amor, especialmente no final.
Gostei
um beijinho
Gábi

Andreia Morais disse...

Há amores de tempo limitado, ou de reciprocidade díspar.
Brilhante poema!

r: Quase todos os anos releio a obra. É mesmo maravilhosa

Obrigada e igualmente*

Karocha disse...

Lindo Jaime
E isso é fácil...

Bjocas

Bfs

Aline Goulart disse...

Justo. Por que há de falar do amor para quem de fato não nos ama? Já tentaste, não é mesmo? Bela poesia. Beijinhos.

lua singular disse...

Oi Jaime
Calma Jaime,
Mulher é mesmo assim, cheia de dengos, é só dar um beijinho e ela fica caidinha.kkk
Beijos no coração,
Lua Singular

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Belo poema de amor!
Sentimento que nos cega
E nos envolve na mega
Teia de ciúme e dor.

Porém amar é um pendor
Do ser humano em entrega,
Ou troca do que ele nega
Por ser um ser sonhador.

Mas o ciúme é confuso,
É intromissão de um fuso
Que gira, porém não migra.

Meu amigo, o sangue luso
É efervescente, e intruso
No amor é caso de briga.

Belíssimo poema o teu, meu amigo Jaime! Parabéns! Fiz aqui o meu arremedo, para brincar com minha cabeça e homenagear o belo poema do amigo. Grande abraço. Laerte.

Pedro Luso disse...

Enquanto amor houver, caro Jaime, os poetas terão muito para cantar. O sentimento amoroso e o poeta seguem na mesma trilha.
Grande abraço.
Pedro

Lucia Silva disse...

Lindo, romântico e profundo. Amei!
Abraços!

Diná Fernandes O.Souza disse...

Amor unilateral não vale á pena, padecer consciente é tortura .
Desejo ´timo fim semana.
Abraço Jaime!

teresa dias disse...

Olá Jaime!
Amigo, deixa de falar de amor "com ela", mas não deixes nunca de escrever belos poemas de amor. Como este. Lindo!
Beijo.

M. disse...

Poema lindo, com a força imparável do amor!
Beijinhos, boa sexta :)

Marta Vinhais disse...

Porquê??? Se o amor fica arruinado... É o fim....
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

manuela barroso disse...

As águas sempre correm nas margens do teu rio. Por vezes, "às vezes", gostam de aportar no idílio luxuriante que as atraem.Quem resiste ao apelo calmante das margens verdes onde tudo fala de amor?
Aporta, pára e contempla. Depois veremos se não és convidado a falar (de novo) de amor. As águas levam. Outras águas trazem...
Belo poema, Jaime
Beijinho! :)

luar perdido disse...

Brilhante, amigo Jaime! Um poema forte, com uma pujança e beleza muita próprias. Um amor amarrotado - e todos os vendavais que provoca.
Atrevo-me a dizer que não podemos dizer "nunca", embora a tentação seja mais forte...

Adorei este poema, fortíssimo e belo.
Bom fim de semana, querido amigo.
Beijo de luar

Graça Pires disse...

Por favor, não deixes de falar de amor, Jaime...
Belo e sentido o teu poema.
Um beijo.

Cidália Ferreira disse...

Lindo demais! Parabéns

Beijo, bom fim de semana

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Não deixes que o Amor tenha um só sentido,
Mesmo que os olhos digam que te ama.
O Amor é nu, transparente, despido
Tem a vida plena e não só a cama.


Abraço
SOL

Anónimo disse...

Essa eu não acredito, que nunca mais Fales de amor. És um romântico incorrigível e como tal vais falar de amor como tu tão bem sabes fazer. Poema lindo que gostei muito. Jaime, bom fim de semana e beijos com carinho

Lrat.

JANE GATTI disse...

A negação do inegável! Como não falar de amor, se o amor transpira em cada ação, em cada palavra? O "nunca mais" cai por terra à possibilidade do fim do sofrimento... Um poema apaixonado... Muito belo. Abraços, bom final de semana.

Poemas em dó menor disse...


Belíssimo poema, Jaime.
Gostei muito.
Beijinho.

Franziska disse...

Porque a força que me empurra
é a mesma que me cega.

Buenísima reflexión y tan sincera que todos no la podemos aplicar.
Ha sido un enorme placer pasar a leer sus versos. Con el afecto y la consideración de siempre, Franziska

A Casa Madeira disse...

Para um poeta falar de amor, nunca terá fim.
Lindo.
Boa entrada de mês.

Evanir disse...

Não é por falta de carinho,
que tenho ficado ausente do meu blog.
Estou sim com alguns motivos ,
que tem me inpedido de fazer visitas.
Mas jamais esquecerei a grandeza da nossa amizde,
que lia nossa e ficava sempre a me perguntar.
Um feliz tarde desse sabado
Um Domigo abençoado.
Beijos,,Evanir.
Eu amigo amor é caso serio.

Donetzka Cercck L. Alvarez disse...

Que linda sua poesia,amigo Jaime.

Bem forte e decidida como deve ser os que amam.

Beijos sabor carinho e um fim de semana de paz e alegrias

Donetzka

Louraini Christmann - Lola disse...

Ufaaaa!
Que forte, hem!
Até senti um calor passar pelo meu corpo!!

abraço
Lola

Célia Rangel disse...

Ah! Poeta Jaime! Não sabe mentir... Ainda há muito conteúdo em seu versos para falar-nos de amor! E, assim, deliciar-nos-emos!
Abraço.

Maria Rodrigues disse...

Aí o amor, que por vezes tanto faz sofrer o coração.
Maravilhoso poema.
Um abraço
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Donetzka Cercck L. Alvarez disse...

Querido amigo Jaime


Reeditei meu texto "Aprendendo a amanhecer" e postei novamente porque estava difícil de ver a aba para comentar. Basta descer bem a página no final do texto que a aba dos comentários está bem abaixo do post.Desculpe,mas tive que copiar para avisar a todos.

Beijos sabor carinho e lindo domingo

Donetzka

Elvira Carvalho disse...

Um belo poema de amor que não se diz, mas se escreve em cada verso.
Abraço

Majo Dutra Rosado disse...

Hoje, passaste para o outro lado da margem...
Nem sempre amor é ternura carinho, prazeres
e paixão...
Acontece, por vezes, mal entendidos, choques
de carácter e personalidade... mas se o amor
é verdadeiro, tudo vence...
O teu poema sofredor está sentido, veemente
e bem construído... Gostei.
Grande abraço.
~~~~~~~~

Pedro Coimbra disse...

Gostei muito do poema.
Mas parece-me que sai de um coração dolorido.
Oxalá esteja errado.
Aquele abraço, boa semana

Arte & Emoções disse...

Olá Jaime! Passando para agradecer a tua visita e teu amável comentário com tão bela mensagem de felicitações e carinho, quando da passagem do meu aniversário e dos meus dois filhos. Muito obrigado de coração.

Em tudo, assim como também no amor, deve haver reciprocidade. Belo e profundo poema.

Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

Furtado

Ana Freire disse...

Mais um poema intenso, e apaixonante, que nos agarra da primeira, à última palavra, com a emoção transbordando, em cada uma delas!...
De leitura maravilhosa, como sempre!
Beijinho! Feliz e inspirada semana, Jaime!
Ana

graça Alves disse...

Retirar-se-ão os punhais e o poeta voltará certamente a falar de amor!
Belíssimo
bj

Teresa Isabel Silva disse...

Simplesmente lindo!

Bjxxx
Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

BETONICOU disse...

Jaime! Que bom ler poesia de tão grande sensibilidade!Falar do amor, com todas as virgulas que esse carrega, ou não falar, se esse tanto nos cega ... Bravíssimo!Aqui venho para aprender. grande abraço!

Emília Pinto disse...

Neste teu " rio sem margens "correm água abaixo diversas emoções ...desabafos, muitos encontros, experiências bastantes e até gritos de revolta; levam essas águas, na maioria das vezes, grandes amores vividos com maior ou menor paixão, mas estas de hoje, por razões que só elas conhecem, ficaram turvas e amor é sentimento que se negam a carregar; não será por muito tempo este desânimo, este sofrimento, esta descrença , porque lá à frente há margens verdejantes, de flores coloridas esperando que este rio por elas serpenteie e deixe que as suas águas corram de novo límpidas e serenas. Só o amor conseguirá essa mudança, apesar de, como a vida, ele ser complexo, mas indispensável
.Amor...vida... rio com margem ou sem elas ..sempre correm de diferentes formas, Jaime, mas...nada a fazer! Tentemos escolher a melhor delas! Um beijinho e...voltarás sim a falar-lhe de amor!
Emilia

Luiza Maciel Nogueira disse...

É preciso às vezes recuar para receber os cristais certos e não os perder, mas fazê-los brilhar! Faz parte de aprender a amar o quanto se doa e o quanto se recebe. O aprendizado verdadeiro visa doar e se abrir ao incondicional receber, mas isso é aprendizado de uma vida inteira (van Gogh por exemplo é exemplo de doação)! Um abraço!

São disse...

Paixão não correspondida, meu amigo ? Isso dói, sim...


Abraço grande e bom Outono

Odete Ferreira disse...

Numa estrutura bem delineada, bem patente nos dois últimos versos da primeira e segunda estrofes, o poeta releva, eloquentemente a dor da rejeição.
Parabéns. Bjinho

Fá menor disse...

Gostei muito da musicalidade do poema.

Mas...
cuidado ao retirar os punhais,
é preciso ter à mão compressas,
dessas para se estancar
o sangue que venha a jorrar.

:)

Beijinhos

Jaime Portela disse...

*******************************************************************************
Caros amigos, obrigado pelos vossos comentários. Voltem sempre.
Entretanto, acabei de publicar um novo poema. Espero que gostem.
Continuação de boa semana para todos.
Saudações poéticas.
*******************************************************************************

Ailime disse...

Muito belo este poema, Jaime.
Que jamais o amor se desfaça, mas antes se reconstrua.
Beijinhos,
Ailime

Genilda Maria da Silva disse...

Olá, navegando em blogs amigos, lhe encontrei e vim conhecer seu blog, amei e estou seguindo. Lhe convido a conhecer o meu, se gostar seguir, ficarei feliz. Tenha um dia abençoado e feliz.

Teresa Almeida disse...

Se não voltas a falar de amor, é porque muito amas. E, deste modo, jamais te calarás.

Por mim quero continuar a ler-te.
Beijinho.